domingo, 7 de junho de 2020

Empresa de mineração destrói cavernas de 46 mil anos

Uma empresa de mineração cometeu um grande desastre ao destruir cavernas de 46 mil anos localizadas no oeste da Austrália. Um local sagrado aborígene.

Local das cavernas/Reprodução
Local das cavernas/Reprodução

Estudos feitos no local indicavam que as cavernas haviam sido ocupadas pela primeira vez pelos aborígenes há cerca de 46 mil anos. Em 2014, durante escavações, arqueólogos encontraram ferramentas e objetos sagrados de 28 mil anos.

Na caverna, foram encontrados fios de cabelo humano que datam de 4 mil anos atrás. Com análises, foi possível identificar que o povo que viveu nessas cavernas são ancestrais diretos dos atuais proprietários tradicionais da região, os povos Puutu Kunti Kurrama e Pinikura (PKKP).

Arqueólogos encontram múmia egípcia de 3 mil anos com mais de 30 tatuagens
Maior e mais antigo monumento maia é descoberto no México
Encontrado na China vaso de 2 mil anos com líquido desconhecido 

As cavernas de pedra Juukan Gorge 1 e 2 foram destruídas durante uma explosão, disse um porta-voz da empresa e mineração Rio Tinto, em comunicado à ABC News.

"É terrível. E é realmente emocionante quando se ouve que os sítios foram destruídos, a idade desses sítios e que o povo Puutu Kunti Kurrama e o povo Pinikura têm uma conexão direta com esse sítio. É onde os nossos ancestrais ocuparam o país", disse Burchell Hayes, diretor da PKKP Aboriginal Corporation e membro do Comité de Terras de Kurrama, em entrevista à Ngaarda Radio.

Em 2013, a minerador Rio Tito recebeu autorização do Ministro dos Assuntos Aborígines para realizar obras e demolição no local. A Lei do Património Aborígine de 1972 está atualmente sob revisão, para tentar impedir que situações como essa ocorram novamente.

Fique por dentro de um novo mundo curtindo e seguindo CAVASIER no Facebook, Instagram e Twitter e se inscrevendo no canal no YouTube

Postar um comentário

Whatsapp Button works on Mobile Device only